1 de setembro de 2011

Na parede da memória a Paz é Verde

Em primeiro de setembro de 1985, alguns amigos reuniram-se e criaram um grupo de teatro amador. Eram jovens, idealistas e cheios de energia. A inspiração para o nome do grupo veio do Greenpeace, em defesa da Paz Mundial e da Natureza, chamou-se Paz Verde.

Seguidores das teorias de Augusto Boal, seguiam as técnicas do improviso e do teatro invisível, quando situações incomuns eram representadas em lugares comuns sem aviso prévio e que acabavam por envolver o público que acreditavam viver uma situação real. Como o casamento que não aconteceu às portas da igreja Nossa Senhora da Glória, quando a noiva fugiu pela avenida Sampaio Vidal aos prantos.

Ainda não mencionei, mas fiz parte desse grupo, foi meu primeiro grupo de amigos, onde aprendi muito sobre amizade, lealdade, cumplicidade, respeito e convívio social.

Participar de um grupo de teatro quando jovem permitiu-me criar asas e dá-las a minha imaginação. Minhas primeiras leituras de grandes clássicos como Neruda, Tiago de Melo e Shakespeare, as primeiras audições dos músicos do Clube da Esquina, principalmente Milton Nascimento, Lô Borges e Beto Guedes, sem contar Chico Buarque e Caetano Veloso, foram realizadas a partir do meu ingresso no grupo.

A experiência de viver em grupo foi muito importante, éramos como já disse antes, idealistas, acreditávamos que nossas ações protegeriam a natureza, escrevemos até um estatuto para ela.

Muitas e ótimas lembranças continuam a fluir agora enquanto escrevo, como nossa participação no programa infantil da Rádio Clube – Rádio Balangandã, os telegramas animados, o estatuto do Homem, a praça de Hiroshima...

O tempo passou e seguimos nossas vidas, os jovens “verdinhos” de 85 hoje são profissionais com suas próprias famílias, ficou a lembrança e a saudade que não são tristes, são lembranças felizes de um tempo vivido com intensidade. Uma singela homenagem ao grupo Paz Verde e a todos aqueles que fizeram parte dele, pessoas que tem um lugar especial reservado na parede de minhas memórias.


 

2 comentários:

  1. Ai, Lu... como eu adoro textos repletos de saudosismo de uma época, de um lugar, de um grupo de pessoas.


    Infelizmente, eu não tive a oportunidade e experiência de conviver em um Grupo como a Paz É Verde, mas ao ler o texto me senti dentro do grupo.


    Lindo demais.... parabéns....

    ResponderExcluir
  2. Tháis, você sempre foi uma grande amiga, desde o nosso primeiro dia de aula. Obrigada pelo apoio, estou adorando escrever para seu blog. bjus
    Luatriz

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta nossa Fanpage!

Receber Receitas

Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Arquivo do blog

Visitantes