29 de abril de 2013

Segunda Saudável: Vinho

Fonte: Google Imagens

Hoje, a coluna "Segunda Saudável" recebe seu 100º post. Para comemorarmos, o tema é Vinho. Vamos conhecer mais sobre essa bebida tão popular?

É difícil encontrar alguém que não goste de vinho. Devido à sua ampla variedade, sempre há algum tipo que agrade ao paladar mais exigente. A bebida milenar vem despertando o interesse em quem preza pela saúde e longevidade há alguns anos, quando foram divulgadas pesquisas apontando os benefícios do seu consumo. 

Na verdade, o vinho já era indicado por Hipócrates, o pai da medicina, como antiinflamatório na antiguidade. As propriedades da bebida se devem à fruta da qual é feita: a uva. Em sua casca está concentrada uma grande quantidade de resveratrol, polifenol com relevante efeito antiinflamatório. Na polpa há minerais importantes para a saúde, além de demais compostos antioxidantes. 

Combate ao câncer 

O vinho é um verdadeiro escudo contra tumores. Rico em um antioxidante chamado antocianina, previne que a doença surja. Pesquisas apontam que o resveratrol ajuda no combate ao câncer por inibir a angiogênese, isto é, o crescimento do tumor. Os de pulmão e de mama estão entre os principais com bons resultados em pesquisas com o consumo regular de vinho. 

Cardiovascular 

O resveratrol também é um aliado no combate a problemas cardiovasculares. A substância controla os índices de colesterol ruim, que, quando altos, podem provocar infartos e derrames. 

Elixir da juventude 

A grande concentração de agentes que combatem os radicais livres é um dos fatores que fazem do vinho um verdadeiro néctar da longevidade. Mais uma vez, o resveratrol é indicado como um “santo remédio”. 

Porém, os mecanismos pelos quais a substância atua ainda são temas de muito debate. A bebida também é fonte de silício, um íon envolvido na formação do colágeno e calcificação dos tecidos ósseos e paredes de vasos sanguíneos. Esse elemento protege unhas, cabelos, pele e tecidos de sustentação entre um órgão e outro. 

Tinto e todo dia 

O vinho tinto, bem como o suco de uva roxa, são os melhores tipos, pois concentram maior quantidade de antioxidantes. E mais: para que todos os benefícios da bebida sejam aproveitados pelo organismo, é necessário que o consumo seja diário e sem exagero. 

Isso porque suas propriedades não são armazenadas no corpo por longos períodos e precisam ser sempre repostas. O indicado é consumir diariamente 1 taça (125ml) de vinho ou 2 copos (250ml cada) de suco de uva. 

Cápsula não é igual 

Com as promessas de vida longa devido ao consumo do resveratrol, logo surgiram no mercado suplementos com quantidades concentradas do composto. Porém, até o momento, não há estudos conclusivos de que esse tipo de nutrição seja eficaz. 

E ainda: não se sabe os efeitos que as altas doses do resveratrol podem gerar no organismo. Assim, o melhor é seguir uma dieta saudável, com doses moderadas da substância. 

Alerta ligado 

Por ser uma bebida alcoólica, o vinho, mesmo em pequenas quantidades, não é indicado para pessoas que sofrem de doenças hepática alcoólica, cirrose hepática, triglicérides aumentado, pancreatite, úlcera, insuficiência cardíaca e arritmia cardíaca. Nesses casos, opte pelo suco de uva sem conservantes. 

Só benefícios 

A lista de contribuições do vinho à saúde é longa, e a cada dia novas descobertas são anunciadas: 

• Inibe a multiplicação do vírus que provoca a herpes: pesquisas apontam que o resveratrol impede que a doença se manifeste. 

• Combate a anemia: a bebida é fonte de ferro que, em combinação com o álcool, facilita a absorção do mineral pelo organismo. 

• Fortalece os ossos: o vinho ajuda no processo de densidade óssea, contribuindo para a prevenção de osteoporose. 

• Mantém o sistema renal em ordem: estima-se que a bebida reduz em até 60% o risco da formação de pedra nos rins. 

• Protege a visão: sua ação antioxidante diminui a degeneração macular, normal com o avanço da idade. 

• Espanta o Alzheimer: a ação antioxidante também serve para evitar o envelhecimento das células cerebrais, o que reduz o risco de doenças neurológicas, como o Alzheimer. 

• Regula o humor: pesquisas apontam que, principalmente para os idosos, o consumo de vinho fornece o bom-humor. 

Fonte: Papo Feminino / Wikipédia 


Banda da semana,”The Verve”



The Verve foi uma banda de rock britânica formada em Wigan, Inglaterra no ano de 1989, inspirada musicalmente no estilo que ficou conhecido como britpop (Música Popular Britânica). 

Apesar de a banda ter se formado em 1989, apenas em 1992 foi lançado seu primeiro trabalho, intitulado apenas de Verve EP, disco que não chegou na época ao Brasil. Pouco tempo depois, em 1993, é lançado A Storm in Heaven, com destaque para os singles "Blue" e "Slide Away". Ao mesmo tempo, nessa época, encontraram em turnês uma outra banda que também iria explodir mais tarde, que foi o Oasis. Nessa época Richard Ashcroft e Noel Gallagher ficaram bastante íntimos, rendendo mais tarde uma homenagem a Richard Ashcroft com a música "Cast no Shadow" do álbum (What's the Story) Morning Glory? do Oasis. 

Em 1995 é lançado o álbum A Northern Soul, com destaque e sucesso muito maior que os anteriores, tendo como single as músicas "This is Music", "On Your Own" e "History". Apesar da grande qualidade do álbum, a essas alturas o estilo BritPop havia se tornado muito forte, e uma "briga" entre Blur e Oasis chamou para si muito da atenção da mídia. 

Somente em 1997 o The Verve conheceria o seu auge e o seu fim. Urban Hymns foi um álbum com marcantes violinos em diversas músicas e o apogeu da banda. A música "Bitter Sweet Symphony" representou toda a conturbação vivida pela banda. Acusada por Mick Jagger de plagiar um "sample" e a expressão "Bitter Sweet Symphony", a banda acabou perdendo na justiça todo o direito de criação dela, recebendo então Mick Jagger os "royalties" referentes ao uso e execução da música. Teve como "single" ainda as músicas "The Drugs Don't Work", "Lucky Man" e "Sonnet". Desgastada por brigas internas e pelo próprio sucesso, a banda e os fãs viram aos poucos o seu fim chegando, e em abril de 1999 o seu fim oficial. A partir de então Richard Ashcroft seguiu com carreira-solo e Simon Tong foi integrado ao Blur. 

Em novembro de 2004 foi lançada uma coletânea intitulada This is Music: The Singles 92-98 junto com duas canções inéditas, "This Could Be My Moment" e "Monte Carlo". 

Em 26 de junho de 2007, a volta da banda foi anunciada por Jo Whiley na BBC Radio 1. Um novo álbum teve lançamento previsto para o final do verão de 2007 no hemisfério norte, coincidindo com uma turnê em novembro de 2007. A turnê começou em Glasgow em 2 de Novembro e incluiu apresentações na "The Glasgow Academy", "The Empress Ballroom" e "London Roundhouse".Em um anúncio a banda afirmou voltar "pelo prazer da música". 

A volta do The Verve não durou muito tempo. Em abril de 2009, praticamente 10 meses depois do lançamento do 4º disco da banda, Forth, muito elogiado pela crítica e pelos fãs, Nick McCabe (guitarrista da banda) anunciou o seu fim. 

Fiquem agora com uma das minhas favoritas,” Lucky Man”. Grande abraço e até semana que vem. 



Long Live, Rock’n Roll \o/ 


27 de abril de 2013

A volta e o futuro

Fonte: Salon

Voltei a estudar. Que maravilha isso, não é mesmo? Há uns três anos que sou professor e fico sempre de frente para a turma. Já faz uns bons anos em que eu estava no lugar deles e isso me deixou um pouco perplexo. Sim, essa é a palavra correta, perplexo. Meu olhar sempre centralizado naquelas figuras maravilhosas, os Mestres! E agora, estou aqui, de frente a eles, mas tenho a possibilidade de visualizar os rostos, os olhares, as expressões... todas! 

E eis que volto à cadeira que ocupei há alguns anos, o de aluno. Que surpresa! Que coisa nova, parece! Não sei dizer ainda se é por estar estudando um assunto que tanto amo (os roteiros de TV e cinema), mas tudo parece novidade. E que bom! Chego com os olhos de novidade, olhos de curiosidade, olhos de possibilidades e, assim, nessa posição, posso novamente sentir o gosto incrível das descobertas, das coisas que ainda não entendemos bem, do prazer de nos sentirmos possíveis, nos sentirmos com possibilidades. 

E assim, também é possível entender melhor os alunos... por esses dias, formamos mais alguns grupos de profissionais e, ouvir de alguns deles que foi você o responsável pela realização de um sonho deles, é de chorar de felicidade e esperança. Não esperança num futuro melhor, esperança de um mundo melhor, isso tudo sim, também, mas a esperança de que os esforços não foram em vão, esperança de que temos muito a acrescentar, esperança de que também encontraremos muitos seres essenciais em nossas formações, não apenas acadêmicas, mas na vida em si. 

Há vida! 

26 de abril de 2013

Rocambole de Carne Moída recheado com Muçarela



Essa receita é muito fácil e só necessita basicamente de três ingredientes. Que praticidade, né? 


Ingredientes:
1 kg de carne moída
1 pacote de creme de cebola
1/2 xicara (chá) de cheiro verde e hortelã (opcional)
300g de muçarela ralada


Modo de Preparo:

Em um recipiente, coloque a carne moída, o creme de cebola e o cheiro verde. Misture bem. Não há necessidade de sal, pois o creme de cebola já contém. 

Abra um saquinho plástico (usei aqueles próprios para freezer/microondas) e acomode a carne na metade. Feche com o restante do plástico e passe o rolo por cima, conforme a foto acima.

Coloque a muçarela ralada e enrole formando o rocambole. Leve para assar em forno médio pré-aquecido até dourar.

Bom Apetite! 



25 de abril de 2013

Se Houver Amanhã

Google Imagens
Bombas estão sendo detonadas contra inocentes. São atentados motivados por crenças religiosas e divergências políticas. Terroristas usam crianças que sobrevivem a esses atentados, usando seu trauma como forma de induzi-las a continuar sua “missão”. Infelizmente, essas pessoas acreditam que estão certas, e que esses atentados lhes trarão a vitória sobre o inimigo, por isso sacrificam suas vidas. 

Seguidores de algumas religiões acreditam que são os escolhidos de Deus, um Deus único que prega que soberba e a arrogância determina que uns são melhores que outros, outros pregam em nome de sua religião que não se deve prevenir gravidez ou praticar sexo seguro. Há aqueles também que em nome da boa fé de pessoas, utilizam-se erroneamente de práticas milenares e sagradas como se fossem mágicos. 

Jogamos lixo nas ruas, poluímos o ar, a terra e a água. Bebemos e dirigimos, falamos mal do vizinho, furamos fila, não devolvemos o troco errado, agimos com frieza diante as tragédias cotidianas, continuamos votando nos mesmos políticos corruptos e ineficientes. Não participamos de discussões sobre política, não acompanhamos a qualidade do ensino dos nossos filhos e tão pouco o projeto político de nossos governantes. 

Há ainda aqueles que não respeitam o estilo de vida diferente do seu, que julgam pessoas que amam outras do mesmo sexo, que querem constituir família adotando crianças que foram abandonadas por seus pais biológicos e heterossexuais. Discriminam pessoas por sua raça, por seu cabelo, peso ou roupas que vestem. 

Caminhamos a passos largos e velozes para nossa própria destruição. Se aqueles que não aceitam os homossexuais vencerem, poderão ser vencidos por aqueles que acreditam que em nome do seu Deus podem detonar uma bomba em qualquer lugar do mundo. Estes por sua vez poderão ser vencidos pela falta d’água potável no mundo. Ao invés de continuarmos brigando entre nós, quem sabe não seria melhor lutarmos juntos para que exista um amanhã, para que nossa espécie humana sobreviva.


24 de abril de 2013

Sopa de Feijão e Legumes


Sobrou feijão em casa? Então, transforme-o em uma deliciosa sopa com legumes. Vamos conferir a receita?


Ingredientes:
300g de carne bovina em tirinhas pequenas (usei patinho)
3 dentes de alho
1 cenoura média cortada em rodelas
3 batatas pequenas em cubos
1 chuchu pequeno em cubos
1/4 pacote de macarrão de letrinhas
4 xícaras (chá) de feijão cozido
3 xícaras (chá) de água
Azeite
Sal


Modo de Preparo:

Doure o alho no azeite e frite as tirinhas de carne. Após bem douradas, junte os legumes cortados e deixe refogar por, aproximadamente, 3 minutos. 

Enquanto isso, bata no liquidificador o feijão cozido e a água. Incorpore ao refogado de carne e legumes e deixe cozinhar, em fogo baixo, até a batata ficar quase macia. (Dica: É importante mexer a sopa de tempo em tempo, assim os legumes não grudaram no fundo da panela). 

Após, junte o macarrão de letrinhas e cozinhe. Se houver necessidade, acrescente um pouco mais de água. 

Acerte o sal e finalize com um fio de azeite. Sirva em seguida.

Bom Apetite!


23 de abril de 2013

Abobrinha ao Limão


Vamos dar um toque de limão ao nosso refogado de abobrinha? Receita super simples e fácil que te conquistará =)


Ingredientes:

1 abobrinha grande 
½ limão médio 
½ cebola média em cubinhos 
1 dente de alho picado 
1 colher (sobremesa) de azeite 
Sal a gosto 
Orégano a gosto 
Pimenta a gosto 


Modo de Preparo:

Lave a abobrinha em água corrente e corte-a no ralador na parte de “corte chip ou lâmina”. A parte mais fina da abobrinha é fácil de cortar pelo ralador, já a mais “gordinha” ficará difícil, assim corte em rodelas com o auxílio de uma boa faca. Reserve. 

Em uma panela, doure o alho e a cebola no azeite. Acrescente as rodelas de abobrinhas e, aos poucos, esprema o limão no refogado. Deixe apurar até ficar macio. Tempere com o sal, o orégano e a pimenta. 

Desligue o fogo e sirva em seguida. 

Bom apetite!



22 de abril de 2013

Segunda Saudável: Vinagre

Fonte: Blog I Food

O vinagre tem baixo valor calórico, substâncias antioxidantes em sua composição, além de ser um coadjuvante contra a hipertensão. 

Com o nome derivado do francês vin aigre, vinho ácido, o vinagre é o resultado de atividade bacterial, que converte líquidos alcoólicos como vinho, cerveja e cidra em uma fraca solução de ácido acético. 

É um produto conhecido há muito tempo, pois se trata de um condimento muito aproveitado devido às suas propriedades benéficas ao organismo e à sua importância na alimentação. 

Nas guerras, o vinagre era recomendado aos soldados, principalmente quando atuavam em ambientes úmidos, para prevenção de possíveis contaminações microbiológicas, para desinfetar e temperar os alimentos. 

Atualmente, existem diversos estudos sobre suas possíveis ações benéficas no organismo. É fundamental dizer que a quantidade consumida será um fator essencial para ele se tornar mocinho ou vilão - o excesso pode ser prejudicial à saúde e causar sintomas como azia e queimação. 

Conheça alguns tipos de vinagre: 

Vinagre agrin - o mais utilizado na cozinha brasileira. É o tipo mais ácido, pois contém acético de álcool na composição. Não traz muitos benefícios à sua saúde. 

Vinagre de vinho - quando o vinho não está muito bom para o consumo, transforma-se no vinagre de vinho. Possui sabor acentuado, por isso é muito utilizado como tempero para saladas e marinar carnes. 

Vinagre Balsâmico ou aceto balsâmico - é o mais nobre de todos os tipos. É um condimento refinado de aspecto denso e escuro e com sabor acentuado agridoce. 

Vinagre de maçã - obtido a partir do suco fermentado de maçãs. É o tipo menos ácido. É interessante para a saúde quando há grande quantidade de maçãs na fermentação, de onde vem o seu poder antioxidante. 

Vinagre orgânico - produzido com alimentos orgânicos. Possui diversos benefícios por manter as propriedades nutricionais. 

Os benefícios:

· Baixo valor calórico, uma colher de sopa tem em torno de 1,28kcal. 

· Pessoas hipertensas que precisam diminuir o consumo de sal podem utilizar o vinagre como substituto, com moderação. 

· Digestão, o balsâmico é o mais refinado de todos os tipos, feito a partir da fermentação de uvas. Tem propriedades estimulantes que favorecem a secreção do suco gástrico, colaborando assim no processo de digestão. 

· Os vinagres feitos da fermentação de frutas, possuem características antioxidantes, que combatem os radicais livres, retardam o envelhecimento e previnem contra o aparecimento de tumores cancerígenos. 

· Não existe uma quantidade definida a ser consumida por dia para que se tenha estes benefícios, mas considero uma colher de sopa, uma boa quantidade. 

Importante ressaltar que se você tem gastrite ou algum tipo de restrição a produtos ácidos não consuma, siga sempre as recomendações do seu médico. 

Fonte: Alimentação Natural / Wikipédia 

Banda da semana...Van Halen


Van Halen é uma banda de hard rock norte-americana formada em 1974. Foi fundada pelos irmãos Eddie Van Halen e Alex Van Halen, que mais tarde juntou o cantor David Lee Roth e o baixista Michael Anthony. Van Halen rapidamente chegou à fama com seu primeiro álbum de mesmo nome em 1978, e é amplamente considerada como um marco nas vendas de rock nos EUA, ocupando a 19ª posição na lista dos maiores vendedores de discos nos Estados Unidos, com 56 milhões e meio de vendas. É a banda de hard rock e/ou heavy metal detentora de mais singles a chegarem ao topo do Hot Mainstream Rock Tracks, sendo 13 no total. É também uma das cinco bandas de rock a ter dois de seus discos certificados com o Disco de Diamante nos Estados Unidos (Van Halen e 1984, respectivamente). Até o momento, vendeu mais de 90 milhões de cópias de discos mundialmente. 

Além de ser reconhecido para o sucesso, a banda é conhecida pelo drama que cerca a saída de antigos membros. As saídas múltiplas de vocalistas David Lee Roth, Sammy Hagar e Gary Cherone foram cercados em controvérsia e cobertura da imprensa, incluindo numerosas declarações conflitantes entre os cantores e a banda. Depois da turnê de 2004 com Hagar, a banda estava em um hiato do público até Setembro de 2007, quando o baixista Wolfgang Van Halen (filho de Eddie) foi confirmado e rumores de que Roth voltaria a banda, ambos os eventos coincidindo com a indução ao Rock and Roll Hall of Fame em 12 de março de 2007. Após anos de especulações, Van Halen voltou a uma turnê com Roth na América do Norte em 2007 e em 2008. Em 2012, a banda iniciou nova turnê e lançou seu primeiro disco em 14 anos, (e primeiro com o vocalista Lee Roth desde 1983) A Different Kind of Truth. 

Fiquem agora com uma das minhas favoritas,”Not Enough”. Grande abraço e até semana que vem. 


Long Live, Rock’n Roll \o/




20 de abril de 2013

O Regime Ideal

Google Imagens
Decidi fazer um regime. Sempre fui muito magro, mas, de uns meses pra cá tenho me sentido muito pesado. 

E esse peso vem me acompanhando já há algum tempo. Tentei me acostumar com um peso acima do que eu sempre tive. Amarrar os sapatos, correr ou até mesmo caminhar, tava difícil, viu! 

Parei, há mais ou menos um mês e decidi fazer o tal regime, mas pensei: como farei? Não encontrei nenhuma receita que pudesse “servir” em mim. Li, procurei, pesquisei, perguntei, mas nada: nenhum lugar, ninguém nada poderia me ajudar. Não havia receita, endocrinologista, nutricionista, nada. Nada. 

Curioso, parei para pensar: a resposta está dentro de você, no caso, de mim. Então, percebi exatamente o que deveria fazer para perder os tais pesos, os tais quilos. Comecei me livrando do que eu carregava: papeis desnecessários, escritos ruins, diários que não levavam a lugar nenhum. Corri com os sacos de lixos, me desfiz desses quilos. 

Depois, comecei a correr para me livrar das roupas velhas, pequenas, dessas que, de tanto uso já não se sabe o porquê mantê-las. E o mesmo foi feito com os livros. Mas esses eu não joguei fora. Doei, repassei. Existem aqueles que de tanto ler e rever, já fizeram o efeito que deveriam fazer e agora estão prontos para fazer o que deve ser feito para outros olhos e almas. 

E, por último, ainda estou revendo os sentimentos desnecessários. Algumas dores que já deveriam ter passado, estão sendo analisadas para serem descartadas. Algumas lembranças que já me fizeram crescer e não precisam ser continuadas. Esses pesos ainda estou tentando perder. 

Mas, no geral, acho que estou indo bem em meu regime. Estou descobrindo a receita ideal, mas acredito estar no caminho certo. Como já disse, o peso material está indo bem. O peso interno ainda está em processo. 

Alguns quilos, perdi com sucesso. Outros, precisarei de várias horas na esteira.


19 de abril de 2013

Molho de Pimenta


Sabe aquele molhinho de pimenta delicioso que você come com salgadinhos? Então, é esse aí da foto. Uma verdadeira delícia que aprendi com minha querida amiga de trabalho Nice. Se eu fosse você, faria esse final de semana mesmo. Depois me conte o que achou, tá?!




Ingredientes:
½ copo (requeijão) de óleo 
½ copo (requeijão) de vinagre branco 
1 cebola média 
2 dentes de alho 
15 folhas de manjericão fresco 
½ xícara (chá) de salsinha picada 
½ sachê ou lata de molho de tomate 
1 pimenta dedo de moça grande (se você gosta mais ardido, acrescente mais uma) 
1 colher (sopa) de orégano 
1 colher (café) rasa de sal 


Modo de Preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador por 3 minutos. Leve à geladeira por, no mínimo, 1 hora antes de servir. 

Bom apetite!


17 de abril de 2013

Coxa e Sobrecoxa Assada com Bacon


Em um outro post, minha mãe ensinou como deixar os cortes de frango bem douradinhos. Usei essa dica, mas só para dar um toque mais gostoso (ou calórico), coloquei fatias de bacon por cima. Essa delícia ficou assim: gostosa, crocante e com gostinho de "quero mais".

Primeiro passo: tempere os cortes de frango com limão, sal, pimenta e orégano. Costumo temperar um dia antes e deixo na geladeira marinando.

Segundo passo: pré-aqueça o forno em temperatura média (200º) por, no mínimo, 15 a 20 minutos (o forno deve ficar bem quente mesmo). Enquanto isso, em uma panela aquecida coloque os cortes de frango temperados e refogue até ele ficar quase cozidos por completo (uns 15 minutos de panela). Os cortes de frango permaneceram branquinhos ainda.

Terceiro passo: retire o frango pré-cozido e acomode-os em um refratário. Coloque fatias de bacon por cima. Leve ao forno bem quente até adquirir a cor dourada (aproximadamente, 1h30 de forno).

Sirva com arroz, saladas e refogado de legumes.

Bom Apetite!


16 de abril de 2013

Torta de Palmito (Massa de Liquidificador)


Simplesmente, estou apaixonada por essa massa de liquidificador. O tanto é que, somente nesse fim de semana, fiz essa receita duas vezes. Entendeu o quanto ela é boa, né?! Copiei a receita dessa massa no blog super fofo Pecado da Gula. O recheio ficou  por minha conta, afinal já não tive trabalho nenhum =)



Ingredientes do Recheio:
1 vidro de palmito em pedaços (descarte a água) 
1 lata de ervilhas (descarte a água) 
½ xícara (chá) de azeitonas verdes picadas 
1 tomate grande sem pele e sem sementes em cubinhos 
1 cebola pequena em cubinhos 
2 dentes de alhos picados 
1 xícara (chá) de leite 
1 colher (sopa) de farinha de trigo 
1 colher (sopa) de azeite 
Sal a gosto 
Orégano e pimenta do reino a gosto 


Modo de Preparo:

Doure a cebola e o alho no azeite. Acrescente o tomate, o palmito, as ervilhas e as azeitonas. Mexa bem e tempere com sal, orégano e pimenta. Deixe apurar por alguns minutos. Enquanto isso, dilua a farinha no leite e incorpore ao refogado. Misture até ficar um aspecto bem cremoso. Desligue o fogo e deixe esfriar. 


*************

Ingredientes da Massa: 
3 ovos grandes 
½ xícara (chá) de óleo 
1 ½ xícara (chá) de leite em temperatura ambiente 
2 xícaras (chá) de farinha de trigo 
1/2 colher (sopa rasa) de sal 
1 colher (sopa) de fermento em pó 


Modo de Preparo:

Bata no liquidificador por 1 minuto: os ovos, o óleo, o leite e o sal. Junte metade farinha de trigo e o fermento em pó e clique no pulsar algumas vezes (3 ou 4 vezes é o suficiente). Incorpore o restante da farinha e mais uma vez clique no pulsar do liquidificador até misturar. Isso faz com que a massa não fique pesada. 

Em uma forma untada com um fio de óleo, espalhe metade da massa. Coloque o recheio já frio e finalize com o restante da massa. Leve para assar em forno médio pré-aquecido por, aproximadamente, 40 minutos ou até dourar. 

Bom Apetite!


15 de abril de 2013

Segunda Saudável: Vagem

Fonte: Portal São Francisco

ORIGEM : América do Sul, região do Paraguai e Sul do Brasil - é uma variedade do feijão. 

CARACTERÍSTICAS : Vagem é a bainha que envolve as sementes ou os grãos das leguminosas, como o feijão e a ervilha. Para ser usada como legume, a vagem deve ser colhida antes do amadurecimento do grão, quando então se toma dura e fibrosa. 

TIPOS: 

· Vagem-manteiga: comprida e larga, tem em média 2 cm de largura por 15 de comprimento. Não é muito grossa, tem uma cor verde-esbranquiçada e um fio fibroso ao longo dos lados; 

· Vagem comum: tem forma roliça e cor verde mais escura que a vagem-manteiga. Quando colhida no tempo certo, não tem fibra dos lados e, portanto, pode ser melhor aproveitada; 

· Vagem-de-metro: é mais roliça que a vagem comum, de cor verde intensa e espessura. 

MODO DE COMPRAR : A vagem pode ser comprada solta, em pacotes ou amarrada em maços e embalada em saco plástico. Encontra-se em supermercados, feiras livres e quitandas. Quando é de boa qualidade, a vagem é tenra e quebradiça e de cor brilhante. Se estiver murcha ou com manchas escuras, não compre. A vagem fresca cede à pressão da unha, não é mole nem escura nas pontas. Para saber quanto comprar, calcule que 11/2 kg é suficiente para quatro pessoas. 

MODO DE CONSERVAR : Lave as vagens sob água corrente, escorra e coloque em saco plástico. Guarde na gaveta de verdura da geladeira ou o mais longe possível do congelador. Dessa maneira, elas se conservam até por uma semana. A vagem já cozida deve ser guardada na geladeira em recipiente tampado. A vagem, depois de um preparo especial, também pode ser congelada. 

MODO DE CONSUMIR : Na culinária, se não for preparada em sopas ou cozidos, deve ser cozida no vapor para que possamos aproveitar ao máximo seus nutrientes, principalmente, quando utilizada em saladas ou acompanhamentos. 

COMPOSIÇÃO : - Sais minerais: - Cálcio; - Ferro; - Fósforo; - Manganês; - Zinco; Vitaminas: - A; - Complexo B; - C (há perda durante o cozimento); - Fibras. 

VALOR CALÓRICO : 100 gramas fornecem 36 calorias. 

INDICAÇÕES TERAPÊUTICAS: Limpa e desintoxica o intestino: - devido ao alto teor de fibras em sua composição; - Ótima fonte de energia. 

Fonte: Portal São Francisco / Wikipédia 

Banda da semana...Velhas Virgens


Velhas Virgens é uma banda brasileira de rock que tem como característica letras irreverentes, geralmente com assuntos sexuais e alcoólicos. Suas apresentações costumam ressaltar sua opinião política. 

Proveniente de São Paulo, o grupo tem doze discos lançados e, gradualmente, tem ganhado espaço no cenário alternativo nacional, mesmo sem tocar em rádios, ou aparecerem em programas de TV ao longo de seus 25 anos de história,é a maior banda independente do Brasil,com muito sucesso,cerveja e rock’n roll,trazendo em sua bagagem muitas histórias pra contar.Não é a toa que a banda arrasta bêbados, loucos, fãs e admiradores por onde passa. Em seus shows a diversão é garantida, pois a multidão vibra e canta todas as músicas. 

Fiquem agora com uma das minhas favoritas “Não Vale Nada”. Grande abraço e até semana que vem. 



Long Live, Rock’n Roll \o/ 

12 de abril de 2013

Farofa de Panceta


Na última vez que meu filho me visitou, ele preparou essa deliciosa Farofa de Panceta para acompanhar um assado que fiz. Aqui em casa, adoramos qualquer tipo de farofa temperada e essa, com certeza, está entre as melhores. Aproveite que o final de semana está pertinho e prepare essa delícia!

Ingredientes:
300g de panceta magra em pedaços pequenos
1 cebola grande em cubinhos
3 dentes de alho picados 
1 pimentão vermelho em cubinhos
1 xícara (chá) de farinha de mandioca torrada
1 xícara (chá) de farinha de milho
1 colher (sopa) de manteiga
1/2 xícara (chá) de cheiro verde
100g de uvas passas pretas
sal a gosto
pimenta dedo de moça a gosto


Modo de Preparo:

Tempere a panceta com o suco de meio limão, sal e pimenta do reino. Deixe descansar por 30 minutos. 

Em uma panela, derreta a manteiga e frite os pedaços da panceta até dourar bem. Retire a carne e doure a cebola e o alho. Retorne a carne e continue mexendo em fogo baixo por, aproximadamente, 5 minutos ou até você sentir que a carne está bem refogada. Junte o pimentão vermelho e apure por mais alguns minutinhos.

Acrescente as farinhas, a uva passa, o cheiro verde e acerte o sal. Misture e desligue o fogo. Sirva em seguida.

Bom Apetite!


11 de abril de 2013

À Maria Helena

Google Imagens
O conhecimento é a base de tudo, e dizem os sábios que este é uma das únicas coisas que não podemos perder ou que não podem nos tirar. Há duas formas práticas de conseguir conhecimento: estudando e vivendo. 

Os estudos nos fornece o conhecimento formal, que vai das operações básicas da matemática às mais modernas e variadas invenções tecnológicas. A vida por sua vez nos dá experiências que nos torna dia a dia mais sábios. 

Isso tudo é uma grande divagação para introduzir o assunto dessa semana, na verdade uma homenagem póstuma. Faleceu em São Paulo, na última semana, a professora aposentada Maria Helena T. C. Barros, uma das grandes pioneiras da Biblioteconomia no Brasil. Ela lecionou por anos aqui em Marília, na UNESP e aposentou-se no ano de 2006. Fui sua aluna e orientanda, aliás, a última antes de sua aposentadoria. 

A professora Maria Helena era uma grande entusiasta das bibliotecas públicas e da ação cultural, e transmitia isso com maestria a todos seus alunos. Suas aulas eram momentos especiais, em que ela nos bombardeava de conhecimento. Tanto o acadêmico como o conhecimento cotidiano. A cada aula eu aprendia um pouco mais sobre o prazer, as dores e as delícias de ser bibliotecária. 

Um colega comentou comigo, após recebermos a notícia da morte de nossa mestra, que o mundo da biblioteconomia estava mais pobre, pois havíamos perdido Maria Helena. Eu não encaro assim, sem dúvida alguma a sua morte nos deixará para sempre um enorme vazio, mas não creio que tenhamos ficado mais pobres, pois cada um de seus alunos – e foram tantos – carregam em si seus ensinamentos e com certeza os coloca em prática no seu dia a dia profissional. 

A professora Maria Helena foi um grande exemplo para todos nós, ela adquiriu muitos conhecimentos ao longo de sua jornada e como poucos soube como transmiti-los, por isso não ficamos mais pobres e não a perdemos, somos os multiplicadores de seu legado, de seu grande e inconteste amor e sua ímpar dedicação à biblioteconomia.


10 de abril de 2013

Salada Básica de Macarrão


Essa foi a minha janta de alguns dias atrás. Uma "salada" bem gostosa de macarrão e um belo copo de suco de laranja. Após, a leitura de um livro lindíssimo ("A Casa das Orquídeas" de Lucinda Riley). Eita coisa deliciosa!


Ingredientes:
1/2 pacote de macarrão do tipo "Padre Nosso"
1 xícara (chá) de cheiro verde
1 cenoura grande ralada
1/2 xícara (chá) de azeitonas verdes picadas
100g de queijo fresco cortado em cubinhos (ou qualquer outro de sua preferência)
4 colheres (sopa) de maionese de boa qualidade
sal a gosto
orégano a gosto
azeite a gosto


Modo de Preparo:

Cozinhe o macarrão em água e sal de acordo com as instruções da embalagem. Escorra e aguarde esfriar.

Em um recipiente, coloque o macarrão cozido e já frio, a cenoura ralada, o cheiro verde, as azeitonas e o queijo. Misture e tempere com a maionese, o orégano, um fio de azeite e o sal (uma pitadinha só). Mexa bem e sirva em seguida. Se preferir, leve na geladeira por alguns minutos antes de servir.

Bom Apetite!


9 de abril de 2013

Panquecas de Ervas Finas com Carne Moída e Quibebe



São três receitas já postadas aqui no blog e que resolvi juntá-las. Resultado final? Simplesmente ma-ra-vi-lho-sas! Se eu fosse você, prepararia essas panquecas hoje mesmo. Que tal?

*****
PANQUECAS DE ERVAS FINAS
Ingredientes:
1 ½ xícara (chá) de farinha de trigo 
2 xícaras (chá) de leite 
2 ovos 
1 colher (café) de sal 
2 colheres (sopa) de óleo 
5 folhas de hortelã 
5 folhas de manjericão 
1 raminho de alecrim 
1 colher (sopa) de salsinha 


Modo de Preparo: 

Bata todos os ingredientes no liquidificador por 2 minutos e deixe descansar na geladeira por, no mínimo, 15 minutos. 

Aqueça uma frigideira (de preferência antiaderente) com um fio de óleo ou azeite ou margarina. 

Coloque uma concha da massa e espalhe com movimentos circulares segurando pelo cabo da frigideira (fogo baixo). 

Quando as bordas estiverem douradinhas e você ver que a massa está deslizando pela frigideira, com o auxílio de uma espátula, vire a panqueca e deixe até dourar do outro lado. Reserve.


*****

RECHEIO DE CARNE MOÍDA

500g de carne moída (acém, músculo, patinho ou carne de sua preferência)
1 cebola pequena em cubinhos
2 dentes de alho 
1 limão
1 colher (café) rasa de sal
2 colheres (sopa) de óleo ou azeite
Pimenta dedo de moça
Orégano
Cebolinha


Modo de Preparo:

Aqueça o óleo em uma panela de fundo grosso. Coloque a carne moída e deixe fritar bem (para a carne ficar sequinha e solta, primeiro de tudo, refogue a carne assim, sem tempero algum, somente o óleo). Quando secar totalmente a água e a carne moída estiver soltinha, acrescente os temperos (cebola, alho, orégano, suco do limão, sal e pimenta). Deixe apurar até a carne moída ficar bem moreninha. Finalize com a cebolinha picada. Reserve.


*****

QUIBEBE DE ABÓBORA

Ingredientes:
1 abóbora média
1 cebola pequena em cubinhos
2 dentes de alho espremidos
1/2 colher (café) de açúcar
2 colheres (sopa) de cheiro verde
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
orégano a gosto
azeite


Modo de Preparo:

Descasque a abóbora e corte-a em pedaços médios. Cozinhe em água com uma pitada de sal até os pedaços estejam bem macios.

Refogue a cebola e o alho no azeite. Acrescente os pedaços de abóbora e refogue até se desmancharem. Tempere com o sal, o açúcar, a pimenta e o orégano. Finalize com cheiro verde.



*****

MONTAGEM DO PRATO:

Recheie as panquecas com a carne moída e o quibebe. Enrole cada massa e acomode em um refratário. Espalhe um molho de tomate por cima e polvilhe queijo ralado. Leve ao forno até gratinar. Bom Apetite!



8 de abril de 2013

Segunda Saudável: Uvaia

Fonte: Lucia Passos

Em um mundo de morangos, laranjas, uvas e maçãs, você já provou a pitoresca uvaia? Não; a frutinha não veio da Europa nem foi trazida pelos talentosos agricultores vindos do Japão no início do século passado.

A uvaia é uma fruta típica da Mata Atlântica. Ou seja, é “fruta do mato”, como se diz no interior paulista. O que, porém, não é desdém algum: seu sabor intenso, o perfume marcante, a polpa delicada e a aparência convidativa fazem da uvaia um verdadeiro deleite com seu gosto tropical. Mas não é fruta que agrada a todos os paladares se consumida in natura: seu sabor é azedo, embora muito agradável. Aliás, é de sua acidez que vem seu nome, em tupi: ubaia ou ybá-ia, que quer dizer “fruto azedo”.

É portanto em sucos e compotas que a uvaia se sai muito bem. Mousses, doces, flans e sorvetes conquistam pelo sabor delicado, refrescante e silvestre; um misto que faz lembrar o sabor da uva e da lichia, mas tem uma personalidade bem própria e bastante marcante.

O fruto tem cor amarela-ouro, com casca fina e levemente aveludada. Amassa com facilidade, sendo necessário cuidado na colheita e transporte – sendo por isso difícil de ser encontrada à venda no varejo (é mais fácil encontrar doces ou compotas).

Dependendo da variedade, a árvore de uvaia pode ter de 6 a 13 metros de altura, mas há as espécies de campo aberto, que produzem pequenos arbustos com cerca de apenas um metro de altura. Também é possível fazer podas de controle, limitando o tamanho da árvore (que é também muito ornamental) a até 2 metros, o que facilita a colheita.

Como é típica da Mata Atlântica, a uvaia é usada em projetos de reflorestamento, no qual desempenha o papel de trazer animais, com seus frutos servindo de alimento a aves e pequenos animais.

Relativamente comum em pomares no Sul e no Sudeste, pode ser também encontrada no cerrado, onde é chamada de “perinha do campo”.

A frutinha é rica em vitamina C: possui cerca de quatro vezes mais do que a laranja.

Em um mundo de morangos e maçãs – que, aliás, evidentemente também são muito saudáveis, como toda fruta, mas são mais comuns –, se puder não deixe de saborear o diferente sabor da uvaia. Se tiver a chance, escolha a fruta ao natural e faça sucos ou doces, sem exagerar no açúcar para não torná-lo muito calórico.

Você terá um delicioso encontro com um gosto que o fará se sentir em meio à Mata Atlântica e, de quebra, estará consumindo muita vitamina C, com seus benefícios como o combate aos radicais livres (o que diminui o envelhecimento) e a prevenção de enfermidades como doenças cardiovasculares, câncer e doenças do envelhecimento. 

Fonte: Clube Sangue Bom / Wikipédia 

Banda da semana...Ultraje a Rigor


Ultraje a Rigor é uma banda brasileira de rock, criada no início dos anos 80 em São Paulo. Idealizada por Roger Rocha Moreira (voz e guitarra base), obteve sucesso em 1983 no Brasil devido aos hits "Inútil" e "Mim Quer Tocar". Em 1985 a banda ficou nacionalmente conhecida pelo álbum Nós Vamos Invadir Sua Praia que trouxe o primeiro disco de ouro e platina para o rock nacional. O mesmo álbum, mais tarde, acabou sendo consagrado como o "melhor álbum de rock nacional" pela Revista MTV, em dezembro de 2008. A banda é um grande marco no cenário do rock nacional. Sua formação inicial era Roger, Leonardo Galasso (bateria, mais conhecido como Leôspa), Sílvio (baixo) e Edgard Scandurra (guitarra solo). Mal o nome foi adotado, Sílvio saiu para dar lugar a Maurício Defendi. Hoje, apenas Roger, idealizador da banda, continua desde a formação original. 

Em 2010, houve o anúncio do lançamento da biografia Nós Vamos Invadir sua Praia, que mostra a história da banda. O livro, escrito pela jovem jornalista Andréa Ascenção, autora do agente literário Andrey do Amaral, vem recheado com histórias, fotos, letras de músicas, depoimentos, etc. O livro foi lançado em abril de 2011 pela Editora Belas Letras. Roger disse que pretende gravar ainda este ano um CD e DVD ao vivo, comemorando os 30 anos de carreira. 

Desde junho de 2011, a banda faz parte do elenco do talk show Agora é Tarde, como banda fixa. Com isso, a banda voltou a ter um maior destaque na grande mídia, se apresentando em grandes festivais, como o SWU, e no Reveillon na Paulista. Recentemente, a banda lançou pela Deckdisc um álbum em parceria com os Raimundos, intitulado O Embate do Século: Ultraje a Rigor vs. Raimundos. A ideia do projeto é de que uma banda regrave da outra, e vice-versa. 

Curtam agora uma das minhas favoritas,”Inútil”. Grande abraço e até semana que vem. 



Long Live, Rock’n Roll \o/ 

7 de abril de 2013

Resultado do Sorteio #Chaveiros


Vamos conhecer o sortudo da vez? No total, tivemos 102 participações pelo Facebook. Enumeramos os participantes e o ganhador foi o de número 87.


Que corresponde à participante Patricia Cristina. Parabéns! Entraremos em contato para procedermos a entrega do mimo. Caso a ganhadora não se manifeste em 3 dias, o Brincando de Cozinhar e Cia realizará um novo sorteio.

Em breve, mais sorteios para você, querido leitor!


6 de abril de 2013

À Mestra com Carinho

Essa semana, não apenas a área da Biblioteconomia, mas o mundo ficou mais triste: partiu Maria Helena, uma profissional impecável e brilhante, mas mais que isso: uma pessoa íntegra, amorosa e inesquecível. 

Quando entramos na faculdade, passamos, rapidamente, por uma transformação radical, como se ontem fôssemos jovens, filhos, e descompromissados, para adultos, donos de si e cheios de trabalhos, pesquisas, estágios e muito sono. Quando se faz essa passagem, para muitos, dolorosa, é preciso encontrar algo em que se apoiar. Ou alguém. 

Aí aparecem os amigos. Os de sempre com a gente, e os novos chegando. Mas, mais que amigos de classe, de trabalho, de infância ou de bar, existe um outro tipo de amigo. O amigo Professor, o amigo Mestre. Temos o amigo Professor, aquele em quem podemos contar, aquele que nos ajuda, aquele que nos acrescenta. Mas existe o amigo Mestre. 

O Amigo Mestre é aquele que, mais que ensinar conceitos, nos apresenta ao mundo, nos abre a mente, nos coloca diante de coisas e fatos que artigo científico nenhum apresenta; introduz uma diversidade de ensinamentos para a vida, nos aconselha, nos acolhe, e também puxa muito nossas orelhas, porque sabe que, muitos os têm como figuras de pais substitutos, como aquela pessoa que nos ensinará a andar, mas o andar diferente, o andar pensativo, estudado, articulado, o olhar acadêmico, o olhar direcionado, visto, revisto, rebatido, analisado, esmiuçado, transformado; o olhar e a ajuda de quem nos insere a um outro mundo: o das palavras, o do saber. 

Sim, os pais fazem isso com a gente também, mas o Professor, o Mestre parece nos levar a um mundo paralelo, com tantas descobertas como quando começamos a descobrir que o Universo é bem maior que nosso berço. 

Tive a honra de ter muitos Mestres. E a senhora, Mestra Maria Helena, é dessas que pegou em nossas mãos, e nos fez viajar a esse Universo paralelo, cheio de ternura, estudo, carinho e solidariedade. 

Em nosso último encontro, num evento da área, após tantos anos de formado, você segurou em minhas mãos e disse: “Eu vim até aqui porque vi seu nome entre os participantes. Não poderia perder essa chance de ver você brilhando!” 

E mal tive chance de dizer a ela que esse brilho, quem deu uma bela lapidada, foi a Senhora, Mestra!




5 de abril de 2013

Lasanha de Panquecas



Quer coisa mais gostosa do que transformar aquela massinha de panqueca em lasanha? Eita, receita boa!!! Quem me deu a dica foi uma colega de trabalho. Como a família dela é grande, ela sempre opta por montar as panquecas dessa forma e, assim, o rendimento é maior. Fiz o teste e aprovei. Que tal se inspirar nessa ideia e preparar para o final de semana?


MASSA DE PANQUECA


Ingredientes:
1 ½ xícara (chá) de farinha de trigo 
2 xícaras (chá) de leite 
2 ovos 
1 colher (café) de sal 
2 colheres (sopa) de óleo 

Modo de Preparo:

Bata todos os ingredientes no liquidificador por 2 minutos e deixe descansar na geladeira por, no mínimo, 15 minutos. 

Aqueça uma frigideira (de preferência antiaderente) com um fio de óleo ou azeite ou margarina. 

Coloque uma concha da massa e espalhe com movimentos circulares segurando pelo cabo da frigideira (fogo baixo). 

Quando as bordas estiverem douradinhas e você ver que a massa está deslizando pela frigideira, com o auxílio de uma espátula, vire a panqueca e deixe até dourar do outro lado. Reserve. 



*******************

RECHEIO DE CARNE MOÍDA E AZEITONAS


Ingredientes:
600g de carne moída 
1 cebola média ralada 
2 dentes de alho picadinho 
1 colher (sopa) de margarina 
1 colher (sopa) de azeite 
1 sachê de molho de tomate pronto 
½ xícara (chá) de água 
1/2 xícara (chá) de leite
3 colheres (sopa) de azeitona verde em rodelas
2 folhas de louro 
Sal 
Pimenta do reino 


Modo de Preparo:

Doure a cebola e o alho na margarina e no azeite. Adicione a carne moída e deixe refogar bem até a carne ficar bem fritinha e seca. Tempere com o sal, a pimenta e o louro. Acrescente o molho de tomate, a água e o leite (tira a acidez do tomate). Misture bem e deixe cozinhar por, aproximadamente, 15 a 20 minutos em fogo baixo. Finalize com as azeitonas.

Deixe o molho de carne moída descansar com a tampa fechada por 5 minutos.


*******************

MONTAGEM

Em um recipiente, faça a primeira camada com as massas de panquecas fritas. Após, acomode uma parte do recheio. Novamente, uma parte de massa e outra de carne. Repita até que a última camada seja de molho de carne moída. Finalize com muçarela ralada e leve ao forno médio pré-aquecido até gratinar.

Bom Apetite!
4 de abril de 2013

Há algo de podre no reino da Dinamarca

Google Imagens
A famosa frase shakeaperiana revelava a suspeita que o jovem príncipe Hamlet tinha sobre a morte de seu pai. Lembrei-me dessa frase ainda há pouco, quando assisti uma matéria sobre a morte de dois jovens diante de câmeras de segurança e próximo à uma viatura policial. 

Em minha reflexão, pensei no pai de um dos garotos, catador de materiais recicláveis, sem condições financeiras para contratar um advogado particular e garantir a apuração do que ocorreu com seu filho. 

Por que pensei nisso tudo? Porque esse senhor deveria recorrer aos Direitos Humanos, que em qualquer país sério se ofereceria para acompanhar o caso. Mas aqui no Brasil, acho improvável.

Agora então, que a Comissão dos Direitos Humanos que representa o governo federal, é presidida por alguém que declaradamente tem fortes opiniões contrárias àqueles que divergem de sua religião, é que não tenho esperança alguma de que cidadãos comuns tenham seus direitos humanos respeitados. 

Vivemos mais um momento em que a sociedade pensante precisa se unir, protestar, questionar e mostrar sua força. Um cargo como esse pressupõe um mínimo de humanidade por parte de quem pretenda ocupá-lo. Precisa de alguém que seja capaz de respeitar tudo que for diferente de si, afinal somos diferentes e isso é uma característica do humano. 

Se não for assim, os direitos serão reconhecidos apenas para alguns grupos específicos. Já lutamos contra isso agora, mas se continuarmos nessa toada, isso será institucionalizado, nosso Estado será direcionado para alguns grupos específicos. Assim, de algo podre no reino da Dinamarca, cairemos em definitivo no poço do fedor eterno, mas essa é outra história, outro filme que em breve poderemos ponderar sobre ele!


3 de abril de 2013

Penne ao Molho de Cabo de Reio


A linguiça cabo de reio é a minha favorita, pois tem um sabor forte e marcante. Nessa receita, resolvi utilizá-la com o macarrão, ou seja, mais uma versão para sair da tradicional "linguiça frita". Veja o passo a passo:



Ingredientes:
1 pacote de macarrão penne 
2 sachês de molho de tomate 
1 ½ copo (requeijão) de leite integral 
2 gomos de linguiça cabo de reio 
4 dentes de alho em lâminas 
1 cebola pequena em cubinhos 
1 colher (sopa) de azeite 
1 colher (sobremesa) de orégano 
sal a gosto
queijo ralado a gosto


Modo de Preparo:

Doure a cebola e o alho no azeite. Acrescente os gomos de linguiça picadinhos (retire a película antes e, grosseiramente, amasse com um garfo). Deixe fritar bem. 

Junte o molho de tomate e o leite integral. Refogue, em fogo baixo, por 15 a 20 minutos minutos. Acerte o sal e tempere com orégano.

Enquanto isso, cozinhe o macarrão de acordo com as instruções da embalagem.

Após, incorpore o macarrão cozido ao molho e finalize com queijo ralado.

Bom Apetite!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta nossa Fanpage!

Receber Receitas

Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Arquivo do blog

Visitantes