6 de abril de 2013

À Mestra com Carinho

Essa semana, não apenas a área da Biblioteconomia, mas o mundo ficou mais triste: partiu Maria Helena, uma profissional impecável e brilhante, mas mais que isso: uma pessoa íntegra, amorosa e inesquecível. 

Quando entramos na faculdade, passamos, rapidamente, por uma transformação radical, como se ontem fôssemos jovens, filhos, e descompromissados, para adultos, donos de si e cheios de trabalhos, pesquisas, estágios e muito sono. Quando se faz essa passagem, para muitos, dolorosa, é preciso encontrar algo em que se apoiar. Ou alguém. 

Aí aparecem os amigos. Os de sempre com a gente, e os novos chegando. Mas, mais que amigos de classe, de trabalho, de infância ou de bar, existe um outro tipo de amigo. O amigo Professor, o amigo Mestre. Temos o amigo Professor, aquele em quem podemos contar, aquele que nos ajuda, aquele que nos acrescenta. Mas existe o amigo Mestre. 

O Amigo Mestre é aquele que, mais que ensinar conceitos, nos apresenta ao mundo, nos abre a mente, nos coloca diante de coisas e fatos que artigo científico nenhum apresenta; introduz uma diversidade de ensinamentos para a vida, nos aconselha, nos acolhe, e também puxa muito nossas orelhas, porque sabe que, muitos os têm como figuras de pais substitutos, como aquela pessoa que nos ensinará a andar, mas o andar diferente, o andar pensativo, estudado, articulado, o olhar acadêmico, o olhar direcionado, visto, revisto, rebatido, analisado, esmiuçado, transformado; o olhar e a ajuda de quem nos insere a um outro mundo: o das palavras, o do saber. 

Sim, os pais fazem isso com a gente também, mas o Professor, o Mestre parece nos levar a um mundo paralelo, com tantas descobertas como quando começamos a descobrir que o Universo é bem maior que nosso berço. 

Tive a honra de ter muitos Mestres. E a senhora, Mestra Maria Helena, é dessas que pegou em nossas mãos, e nos fez viajar a esse Universo paralelo, cheio de ternura, estudo, carinho e solidariedade. 

Em nosso último encontro, num evento da área, após tantos anos de formado, você segurou em minhas mãos e disse: “Eu vim até aqui porque vi seu nome entre os participantes. Não poderia perder essa chance de ver você brilhando!” 

E mal tive chance de dizer a ela que esse brilho, quem deu uma bela lapidada, foi a Senhora, Mestra!




Um comentário:

  1. Uma tristeza imensa. Maria Helena, sua luz estará sempre em nós!

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta nossa Fanpage!

Receber Receitas

Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Arquivo do blog

Visitantes