19 de novembro de 2012

Segunda Saudável: Pitanga

Google Imagens

A pitanga, espécie nativa da Mata Atlântica, tem em seu nome origem tupi-guarani - "pyrang" que significa “vermelha”. A fruta carnosa e aquosa, de cor vermelha (mais comum), amarela ou preta, tem sabor agridoce e já era apreciada pelos indígenas, bem como pelos primeiros colonizadores do Brasil.

Pertencente a família botânica das Myrtaceae, a pitanga (Eugenia unifloraL.) é uma das mais importantes frutas nativas da Mata Atlântica com grandes potencialidades para o cultivo comercial. De seus frutos, que contém vitaminas A, C, do complexo B, cálcio, ferro e fósforo, além do consumo in natura, podem ser obtidos sucos, sorvetes, geléias, doces, licores e vinhos. Além desses usos, mais comuns, algumas indústrias de cosméticos já têm utilizado seu extrato para a fabricação de sabonetes e shampoos.

As folhas da pitangueira contém o alcalóide denominado pitanguina (sucedâneo de quinino); bastante utilizada na medicina popular através de chás, indicada contra diarréias persistentes, contra afecções do fígado, em gargarejos nas infecções da garganta, contra reumatismos e gota. Tem ação calmante, antiinflamatória, diurética, combate a obesidade e também possui atividade antioxidante.

A pitangueira é uma espécie de ampla distribuição geográfica natural ocupando regiões de clima tropical e subtropical, indo de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul.

Atualmente, as plantações comerciais significativas da fruta estão no nordeste brasileiro, onde o estado que se destaca é Pernambuco.

A pitanga é indicada para recuperação de áreas degradadas e também na implantação de sistemas agroflorestais, além de possuir boa potencialidade para consumo e processamento da polpa, é atrativa principalmente a avifauna, tornando-se uma espécie chave para indução na regeneração natural de florestas. Também é utilizada como espécie ornamental em muitas cidades brasileiras.

Fonte: O Poder das Frutas / Wikipédia


Artista da Semana..... Papa Roach 


Na pequena cidade de Vacaville, noroeste da Califórnia, quatro colegas de ensino secundário, Jerry Horton, Dave Buckner, Jacoby Shaddix (Coby Dick) e Will James decidiram montar uma banda. O nome surgiu a partir de um trocadilho com baratas e guimbas de maconha, e então estava criada a Papa Roach. Suas maiores influências eram as bandas Faith No More, Rage Against The Machine e Primus, um som que misturava punk rock, alternative rock, funk-metal e rap-metal. 

Depois de alguns anos tocando em bares, pizzarias e pequenas festas, eles conquistaram fãs pela região, e então começaram com alguns concertos em Sacramento, San José e Berkeley, e logo estavam abrindo concertos do Deftones. 

No verão de 1996 tomaram algumas atitudes para subir mais um degrau na carreira. A primeira delas foi trocar o baixista Will James por Tobin Esperance, que tinha 16 anos e era roadie da banda desde os 13. A segunda, contratar um empresário, Bret Blair. Depois disso, juntaram 700 dólares e entraram em estúdio para gravar o primeiro LP, Old Friends From Young Years, que serviu de suporte para várias apresentações pelos Estados Unidos. 

Em 1998, lançaram o EP 5 Tracks Deep, mas sua estréia numa grande gravadora foi com o álbum Infest, pela Universal Records. Em 2001, participou do Rock in Rio 3, no mesmo dia das consagradas bandas Guns N' Roses e Oasis. 

Em 2002, foi lançado Lovehatetragedy, álbum que teve como singles "She Loves Me Not" e "Time And Time Again". O álbum não alcançou o sucesso desejado, alcançando apenas o disco de ouro, enquanto seu antecessor conseguiu platina tripla. Mesmo assim os singles fizeram muito sucesso. Em 2004, saiu Getting Away With Murder, um álbum não muito bem recebido pela crítica e pelos fãs. O primeiro single foi a faixa título, considerada por muitos a melhor do álbum, e o segundo foi "Scars", uma balada. Essa nova obra ditou o que seria o novo estilo Papa Roach, mais voltado ao Rock and Roll, como evidenciado por faixas como "Be Free". Além dos dois singles foi lançada uma versão ao vivo de "Take Me".

Em 2005, foi lançado o primeiro álbum ao vivo da banda, Live & Murderous In Chicago, foi uma verdadeira figura dos concertos do Papa Roach. Além das 19 músicas gravadas ao vivo, há também todos os videoclipes da banda. Em 2006 saiu The Paramour Sessions, o qual foi gravado na Paramour Mansion. É álbum que mostra de vez o novo estilo do Papa Roach, e cujo primeiro single foi ...To Be Loved. Metamorphosis é o sexto álbum de estúdio da banda, lançado a 24 de Março de 2009.O primeiro single do álbum é "Hollywood Whore" lançado em 28 de Outubro de 2008. O segundo single é "Lifeline" lançado no dia 9 de Janeiro de 2009. O terceiro single é "I Almost Told You That I Loved You", lançado no dia 1 de Junho de 2009.Time for Annihilation...On the Record and On the Road é o sétimo álbum da banda, lançado a 31 de Agosto de 2010.

The Connection é o sétimo álbum de estúdio.O álbum foi lançado no dia 2 de outubro de 2012 pelo gravadora Eleven Seven Music. O primeiro Single "Still Swingin" foi lançado no dia 24 de julho de 2012, Jacoby Shaddix descreveu o álbum como uma "redescoberta dos elementos básicos do Papa Roach". 

Muito bom o som dos caras, vale a pena conferir. 

Curtam agora a versão acústica de “Scars”,uma das minhas favoritas. 

Grande abraço e até semana que vem. 



Long Live, Rock’n Roll \o/ 


0 comentários:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Curta nossa Fanpage!

Receber Receitas

Tecnologia do Blogger.

Seguidores

Arquivo do blog

Visitantes